Web radio recanto de Minas Gerais
Publicidade
Nossa Localizacao
São João del rei/MG
Filho de Bolsonaro fala em fechar STF e decano vê golpismo
02/11/2018

As declarações de Eduardo Bolsonaro, que afirmou que bastam "um cabo e um soldado" para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF), repercutiram de forma negativa na Justiça brasileira. O Globo mostra que a ministra Rosa Weber, do STF, declarou que "juiz algum vai se abalar" e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que as afirmações "cheiram a fascismo". O candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) disse que o vídeo foi usado fora de contexto e Eduardo Bolsonaro pediu desculpas pelas declarações. "Justiça reage a vídeo em que filho de Bolsonaro fala em 'fechar STF", informa a manchete do Globo. À jornalista Mônica Bergamo, o ministro Celso de Mello, decano do STF, afirmou que as declarações são "inconsequentes e golpistas". Para o magistrado, a votação expressiva que o deputado teve para o parlamento não legitimam uma "investida político-jurídica." A Folha de S.Paulo ainda revela que a cúpula das Forças Armadas está dividida entre a satisfação pelo prestígio dado à categoria pela liderança de Jair Bolsonaro nas pesquisas e a preocupação com eventuais fracassos e polêmicas de um possível governo do candidato do PSL. Segundo o matutino, militares temem sofrer "arranhões" por causa de declarações polêmicas de Bolsonaro mas, ao mesmo tempo, apreciam o prestígio após 33 anos do fim da ditadura. "Identificação com Bolsonaro agrada e preocupa militares", sublinha o título principal da Folha. O Estado de S.Paulo mostra que Bolsonaro tem feito acenos aos partidos do chamado "Centrão" com o objetivo de formar uma base parlamentar forte caso vença a eleição. De acordo com o Estadão, Bolsonaro tenta domar a bancada de seu partido, o PSL, na Câmara e não deve brigar pela presidência da Casa. O matutino lembra que Eduardo Bolsonaro (PSL), eleito deputado federal por São Paulo, chegou a ter seu nome cogitado para ocupar a cadeira que pertence a Rodrigo Maia (DEM-RJ) atualmente, na presidência da Câmara. "Bolsonaro enquadra o PSL e faz acenos a partidos do Centrão", destaca a manchete do Estadão. Os jornais também registram que o candidato Fernando Haddad (PT) prometeu, em agenda na periferia de São Luís, no Maranhão, reajustar em 20% o valor do benefício do Bolsa Família em janeiro e estabelecer um teto de R$ 49 para o preço do botijão de gás. A promessa do candidato busca uma virada na reta final das eleições.  

Fonte: G1
Simples Assim
21:30 as 23:30
Publicidade
Peça a sua música!
Envie seu Pedido Musical preenchendo todos os dados abaixo:
Atendimento
Matosinhos - São João del rei/MG
Ligue agora
(32) 8469-2725
Horário de atendimento
09:00 às 17:30 horas